Desinfecção de mudas e do solo com óleo de eucalipto na produção de mandioquinha-salsa

  • Nestor Antonio Heredia Zárate Faculdade de Ciências Agrárias, Universidade Federal da Grande Dourados, Brasil
  • Kátia Regina Freitas Schwan-Estrada Centro de Ciências Agrárias, Universidade Estadual de Maringá, Brasil
  • Maria do Carmo Vieira Faculdade de Ciências Agrárias, Universidade Federal da Grande Dourados, Brasil
  • Silvia Cristina Heredia Vieira Universidade Anhanguera, Brasil
  • Elissandra Pacito Torales Faculdade de Ciências Agrárias, Universidade Federal da Grande Dourados, Brasil
  • João Dimas Graciano (in memoriam) Faculdade de Ciências Agrárias, Universidade Federal da Grande Dourados, Brasil

Resumen

Foi estudado o efeito do óleo de eucalipto na desinfecção de mudas e do solo sobre a produção e no controle de doenças durante o ciclo de cultivo da mandioquinha-salsa ‘Amarela de Carandaí’. Os tratamentos originaram-se do fatorial 2 (sem-MS e com-MC desinfecção das mudas em solução aquosa com 1% do óleo, por 35”) x 3 (sem-SSPOE e com-SCPOE pulverização do solo, antes ou depois do plantio, com solução aquosa com 2% do óleo). Foram realizadas colheitas das plantas aos 224 e 266 dias após o plantio-DAP. As massas frescas de folhas, rebentos e coroas foram semelhantes estatisticamente dentre as MS mas, dentro das MC, os maiores valores corresponderam às plantadas em SCPOE. As maiores produções de raízes comerciais aos 224DAP (5,94 e 6,90 t ha-1) e aos 266DAP (7,07 e 7,47 t ha-1) foram dos tratamentos onde as MS e MC foram plantadas em SCPOE antes do plantio. Foram observados sintomas de queima das folhas (associação de Alternaria sp. e de Septoria sp.) e de podridões das coroas e dos rebentos (Sclerotium sp.). Concluiu-se que, para se obter maior produção de raízes comerciais da mandioquinha-salsa, usando mudas desinfetadas ou não, deve-se pulverizar óleo de eucalipto no solo antes do plantio, embora sem esperar efeito sobre doenças foliares e podridões de final de ciclo.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Métricas

Cargando métricas ...

Citas

REFERÊNCIAS

Amaral, M.F.Z.J. & M.T.F. Bara. 2005. Avaliação da atividade antifúngica de extratos de plantas sobre o crescimento de fitopatógenos. Revista Eletrônica de Farmácia 2: 5-8.

Bueno, S.C.S. 2004. Produção de mandioquinha-salsa (Arracacia xanthorrhiza B.) utilizando diferentes tipos de propágulos. Tese. Universidade de São Paulo, Piracicaba, Brasil. 93p.

Graciano, J.D., N.A. Heredia Zárate, M.C. Vieira, Y.B.C. Jardim Rosa, M.A.N. Sediyama & E.T. Rodrigues. 2006. Efeito da cobertura do solo com cama-de-frango semidecomposta sobre dois clones de mandioquinha-salsa. Acta Scientiarum: Agronomy 28: 365-371.

Granate, M.J., M.A.N. Sediyama & M. Puiatti. Batata-baroa ou mandioquinha-salsa (Arracacia xanthorrhiza Banc.). 2007. In: Paula Júnior, T.J. & M. Venzon. (Coordenadores). 101 culturas: manual de tecnologias agrícolas. EPAMIG, Belo Horizonte. p.137–142.

Heredia Zárate, N.A., M.C. Vieira, J. Rech, A. Quast, B.C.A. Pontim & R.P. Gassi. 2008. Yield and gross income of arracacha in monocrop and intercropping with the Japanese bunching onion and parsley. Horticultura Brasileira 26: 277-281.

Kuhn, O.J. 2007. Indução de resistência em feijoeiro (Phaseolus vulgaris) por acinbezolar-S-metil e Bacillus cereus: aspectos fisiológicos, bioquímicos e parâmetros de crescimento e produção. Tese. Universidade de São Paulo, Piracicaba, Brasil, 138p.

Larcher, W. 2000. Ecofisiologia vegetal. RiMa Artes e Textos, São Carlos. 531p.

Leblanc, R.E.G., M. Puiatti, M.A.N. Sediyama, F.L. Finger & G.V. Miranda. 2008. Influência do pré-enraizamento e de tipos de mudas sobre a população, crescimento e produção da mandioquinha-salsa “Roxa de Viçosa”. Revista Ceres 55: 74-82.

Peel, M.C., B.L. Finlayson & A. McMahont. 2007. A. Updated world map of the Köppen-Geiger climate classification. Hydrology and Earth System Sciences 4: 439-473.

Salgado, A.P.S., M.G. Cardosos, P.E. Souza, J.A. Souza, C.M.P. Abreu & J.E.B. Pinto. 2003. Avaliação da atividade fungitóxica de óleos essenciais de folhas de Eucalyptus sobre Fusarium oxysporum, Botrytis cinerea e Bipolaris sorokiniana. Ciência e Agrotecnologia 27: 249-254.

Schwan-Estrada, K.R.F., J.R. Stangarlin & M.E.S. Cruz. 2000. Uso de extratos vegetais no controle de fungos fitopatogênicos. Floresta 30: 129-138.

Schwan-Estrada, K.R.F., C.C.L.F. Suzuki & A.T. Itako. 2008. Utilização de extratos vegetais no controle de doenças de plantas. In: Poltronieri, L.S. & A.K. Ishida. N. (Editores.). Métodos alternativos de controle de insetos-praga, doenças e plantas daninhas: Panorama atual e perspectivas na agricultura. EMBRAPA, Belém. p.131-152.

Vieira, M.C., N.A. Heredia Zárate & H.E. Gomes. 2002. Produção de mandioquinha-salsa em função da desinfecção de mudas e da cobertura do solo com cama de frango semidecomposta. Ciência e Agrotecnologia Edição Especial: 1465-1470.

Vieira, M.C., K.R.F. Schwan-Estrada, N.A. Heredia Zárate, N. Pelisson, C.M.S. Sangalli & M.F.S. Paula. 2011. Desinfecção das mudas com óleo de eucalipto na produção e controle de doenças da mandioquinha-salsa. Semina: Ciências Agrárias 32: 421-432.

Publicado
2019-06-23
Cómo citar
Heredia Zárate, N. A., Freitas Schwan-Estrada, K. R., Vieira, M. do C., Heredia Vieira, S. C., Pacito Torales, E., & Graciano (in memoriam), J. D. (2019). Desinfecção de mudas e do solo com óleo de eucalipto na produção de mandioquinha-salsa. Revista De La Facultad De Agronomía, 118(1), 19-23. https://doi.org/10.24215/16699513e002