Semeadoras adubadoras com diferentes mecanismos dosadores de sementes e a influência da velocidade na semeadura do milho

  • Thiago Martins Machado Engenharia Agrícola e Ambiental, Universidade Federal de Mato Grosso, Brasil
  • Étore Francisco Reynaldo Syngenta, Brasil
  • Gonzaga do Vale Welington Engenharia Agrícola, Universidade Federal de Sergipe, Brasil

Resumen

O tipo de funcionamento do mecanismo dosador das semeadoras e a velocidade de operação, são determinantes na produtividade da cultura. O presente trabalho teve como objetivo estudar a influência da velocidade de deslocamento na semeadura do milho, com diferentes modelos de semeadoras e mecanismos dosadores de semente. Sendo os mecanismos dosadores: disco alveolado perfurado horizontal com acionamento mecânico, pneumático e pneumático com kit auxiliar eSet. O delineamento experimental foi realizado em blocos ao acaso, com 04 repetições sendo um fatorial com três diferentes velocidades de deslocamento 5, 7 e 9 km h-1 e dois tipos de mecanismo dosador de sementes sendo um com kit auxiliar. As variáveis mensuradas foram: a distribuição longitudinal espaçamentos múltiplos, falhos, aceitáveis, peso de mil sementes, número de espigas, coeficiente de variação, precisão e a produtividade de milho. O incremento na velocidade de deslocamento das semeadoras interferiu, nas variáveis: falhos, múltiplos, aceitáveis, número de plantas e número de plantas com espiga. A semeadora John Deere com mecanismo dosador pneumático com o kit eSet na velocidade de 5 km h-1 ficou dentro do nível tolerado de precisão dos espaçamentos entre plantas. O aumento de velocidade nas semeadoras e os respectivos mecanismos dosadores não tiveram influência na produtividade do milho.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Métricas

Cargando métricas ...

Citas

REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS

Balastreire, L.A. 1987. Máquinas agrícolas. São Paulo: Manole. 307 pp.

Branquinho, K.B., C.E.A. Furlani, R.P. Silva, D.C.C. Grotta & E.A.D. Borsatto. 2004. Desempenho de uma semeadora-adubadora direta, em função da velocidade de deslocamento e do tipo de manejo da biomassa da cobertura do solo. Engenharia Agrícola, Jaboticabal, 24(2): 375-379.

Cavichioli, F. A., C.E.A. Furlani, R.S. Bertonha, R.P.E. Silva & J.M. Nascimento. 2010. Velocidade de semeadura. Revista Cultivar Máquinas. Jaboticabal, n. 94.

Coelho, J.L.D. 1996. Ensaio & certificação das máquinas para a semeadura. In MIALHE, L.G. Máquinas Agrícolas: Ensaio & Certificação. Piracicaba: Fundação de Estudos Agrários Luiz de Queiroz. pp. 551-569.

Copetti, E. 2004. Prevenir custa menos. Cultivar Máquinas, n. 27. pp.43-48.

Cortez, J.W., C.E.A. Furlani, R.P. Silva & A. Lopes. 2006. Distribuição longitudinal de sementes de soja e características físicas do solo no plantio direto. Engenharia Agrícola, Jaboticabal, 26(2): 502-510.

Dias, O. V., A.S. Alonço, U.B. Baumhardt & G.J. Bonotto. 2009. Distribuição de sementes de milho e soja em função da velocidade e densidade de semeadura. Ciência Rural, Santa Maria, 39(6): 1721-1728.

Embrapa - Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. 2017. Disponível em:<https://www.embrapa.br> . Acesso em: 08 dezembro 2017.

Furlani, C.E.A., R.P. Silva, A. Carvalho Filho, J.W. Cortez, & D.C.C, Grotta. 2008. Semeadora-adubadora: exigências em função do preparo do solo, da pressão de inflação do pneu e da velocidade. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v.32: 345-352.

Furlani, C.E.A., A.P. Júnior, J.W. Cortez, R.P.E. Silva & D.C.C. Grotta. 2010. Influência do manejo da cobertura vegetal e da velocidade de semeadura no estabelecimento da soja (Glycine max). Engenharia na Agricultura, Viçosa, 18(3): 227-233.

Garcia, I.C., R. Jasper, M. Jasper, A.J. Fornari & J. Blum. 2006. Influência da velocidade de deslocamento na semeadura do milho. Engenharia Agrícola, Jaboticabal, (26)2: 520-527.

ISO - Internacional Organization for Estandardization. ISO 7256/1. 1984.Sowing equipment – Methods of test – Part 1: Single seed drills (precision drills). 1984. 16p.

Jung, R., C.A. Tavares, A. Griggio, L.G de Oliveira, M. Delai, J. Hister & S. De L Silva. 2009. Avaliação da produtividade do milho em função dos sistemas de semeadura e velocidades de deslocamento. Cultivando o Saber, Cascavel, 2(2): 158-164.

Kachman S.D. & J.A. Smith. 1995. Alternative measures of accuracy in plant spacing for planters using single seed metering. Transactions of the ASAE, 38(2):379-387.

Klein, V.A., T.A. Siota, A.L Anesi & R. Barbosa. 2002. Efeito da velocidade na semeadura direta da soja. Engenharia Agrícola, Jaboticabal, 22(1): 75-82.

Klein, V. A., J.P. Massing, Jr.I.J. Biasuz, C.D. Marcolin & M.L. Vieira. 2008. Velocidade de semeadura de trigo sob sistema plantio direto. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, 7(2): 150-156.

Krzyzanowski, F.C., J.B. França Neto & N.P Costa. 1991. Efeito da classificação de sementes de soja (Glycine max (L.) Merrill) por tamanho sobre a qualidade e a precisão de semeadura. Revista Brasileira de Sementes, Brasília,13(1): 59-68.

Lopes, A., C.E.A. Furlani, F.Z. Abrahão, M.A.S Leite & D.C.C. Grotta. 2001. Efeito do preparo do solo e da velocidade de semeadura na cultura do milho (Zea mays ). Engenharia Agrícola, Jaboticabal, 21(1): 68-73.

Mahl, D., C.A. Gamero, S.H. Benez, C.E.A. Furlani & A.R.B. Silva. 2004. Demanda energética e eficiência da distribuição de sementes de milho sob variação de velocidade e condição de solo. Engenharia Agrícola, 24(1): 150-157.

Mello, A.J.R., C.E.A. Furlani, R.P. Silva & A. Lopes. 2007. Produtividade de híbridos de milho em função da velocidade de semeadura Engenharia Agrícola. Jaboticabal 27(2).

Mialhe, L.G. 2012. Máquinas Agrícolas para plantio. São Paulo. Millennium. 623 pp.

Portella, J.A. 2001. Semeadoras-adubadoras para plantio direto. Viçosa: Aprenda Fácil. 252 pp.

Santos, A.J., C.A. Gamero, R.B. Oliveira & A.C. Villen. 2011. Análise espacial da distribuição longitudinal de sementes de milho em uma

semeadora-adubadora de precisão. Bioscience Journal, 27(1): 16-23.

Sattler, A., A. Faganello & J.A. Portella. 1998. Desempenho de um protótipo dosador: perfil de distribuição longitudinal. Engenharia na Agricultura, Viçosa, MG.

Silva, M.C. & C.A. Gamero. 2010. Qualidade da operação de semeadura de uma semeadora-adubadora de plantio direto em função do tipo de martelete e velocidade de deslocamento. Revista Engenharia na Agricultura, 25: 85-102.

Souza Junior, R.L. & J. P. A. R. Cunha. 2012. Desempenho de uma semeadora de plantio direto na cultura do milho. Revista Agrotecnologia, Anápolis, 3(1): 81- 90, 2012.

Tourino, M. C. C., P.M. Rezende & N. Salvador. 2002. Espaçamento, densidade e uniformidade de semeadura na produtividade e características agronômicas da soja. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, 37(8): 1071-1077.

Tourino, M.C.C., P.M. Rezende, L.G.P. Almeida & L.A. Silva. 2007. Comparativo na uniformidade/distribuição de sementes em Função do tipo de semeadoras. Revista Brasileira de Agrociência, Pelotas, 13(3): 383-392.

Trogello, E., A.J. Modolo, M. Scarsi, C.L. Silva, P.F. Adami & R. Dallacort. 2013. Manejos de cobertura vegetal e velocidades de operação em condições de semeadura e produtividade de milho. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental. 17(7): 796–802.

Publicado
2019-06-23
Cómo citar
Machado, T. M., Reynaldo, Étore F., & Welington, G. do V. (2019). Semeadoras adubadoras com diferentes mecanismos dosadores de sementes e a influência da velocidade na semeadura do milho. Revista De La Facultad De Agronomía, 118(1), 37-42. https://doi.org/10.24215/16699513e004