Sensibilidade à dessecação em sementes de seis fruteiras nativas

  • Kelli Pirola Pós-Graduação em Agronomia UTFPR/PPGAG
  • Marcelo Dotto Pós-Graduação em Agronomia UTFPR/PPGAG
  • Darcieli Aparecida Cassol Pós-Graduação em Agronomia UTFPR/PPGAG
  • Américo Wagner Junior Professor UTFPR/Câmpus Dois Vizinhos
  • Jean Carlo Possenti Professor UTFPR/Câmpus Dois Vizinhos
  • Idemir Citadin Professor UTFPR/Câmpus Pato Branco

Resumen

O objetivo do trabalho foi investigar o nível de sensibilidade quanto à dessecação em sementes de seis fruteiras nativas. O trabalho foi conduzido no Laboratório de Fisiologia Vegetal da UTFPR – Câmpus Dois Vizinhos – Paraná, Brasil. Foram utilizadas sementes de cerejeira-da-mata (Eugenia involucrata DC), guabijuzeiro (Myrcianthes pungens (Berg) Legrand), sete capoteiro (Campomanesia guazumifolia (Cambess.) O.Berg), pitangueira (Eugenia uniflora L.), jabuticabeira híbrida (Plinia cauliflora Mart.) e jabuticabeira de cabinho (Plinia trunciflora O.Berg). Os frutos foram coletados, retirando-se e secando-se as sementes à sombra por 24 horas. As sementes foram embebidas em água destilada, permanecendo nestas condições até peso constante. Em seguida, as sementes foram colocadas em Placas de Petri® e submetidas à desidratação lenta em câmara B.O.D. à 25°C por períodos de 0 (T1), 6 (T2), 24 (T3), 48 (T4), 72 (T5), 96 (T6), 120 (T7), 144 (T8), 168 (T9), 192 (T10), 216 (T11) e 240 (T12) horas. Após cada período, as sementes foram semeadas em bandejas de plástico, contendo como substrato areia. O delineamento experimental utilizado foi inteiramente ao acaso, com 12 tratamentos e quatro repetições de 100 sementes. Após 60 dias da primeira semente germinada, avaliou-se a germinação (%), o índice de velocidade de emergência (IVE), tempo médio de germinação (TMG) e germinação acumulada (%). A maior e mais rápida redução do teor de umidade diminuiu a capacidade germinativa das sementes de guabijuzeiro, jabuticabeiras híbrida e de cabinho. Novos estudos são necessários para avaliar a viabilidade destas sementes em condição de menor teor de água.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Métricas

Cargando métricas ...

Citas

Alegretti, A. L., D. A. Cassol, K. Pirola, J. A. Luchmann, A. Mascarello, J. Zanela, S. M. Mazaro & A. Wagner Júnior. 2009. Período de armazenamento e germinação de jabuticabeira de Cabinho. In: XIEncontro Nacional de Fruticultura de Clima Temperado, Fraiburgo. Anais do XI Encontro Nacional de Fruticultura de Clima Temperado, 2:67p.

Alexandre, R. S., A. Wagner Júnior & J. R. da S. Negreiros. 2004. Efeito do estádio de maturação dos frutos e de substratos na germinação de sementes e desenvolvimento inicial de plântulas de jabuticabeira. In: Simpósio nacional do morango, 2., Encontro de pequenas frutas e frutas nativas do Mercosul, 1., Pelotas. Resumos... Pelotas: Embrapa Clima Temperado, p.422-427.

Andrade, R. N. B. 2002. Germinação de sementes de plantas ornamentais ocorrentes no Rio Grande do Sul. Tese. Doutorado em Ciências. Instituto de Biociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. 110p.

Andrade, R. A. de & A. B. G. Martins. 2003. Influence of the temperature in germination of seeds of jabuticaba tree. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, 25(1):197-198. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-29452003000100056

Barbedo, C. J., S. Kohama, A. M. Maluf & D.A.C. Bilia. 1998. Germinação e armazenamento de diásporos de cerejeira (Eugenia involucrata DC. - Myrtaceae) em função do teor de água. Revista Brasileira de Sementes, 20:184-188. http://www.abrates.org.br/revista/artigos/1998/v20n1/artigo30.pdf

Barbedo, A. S. C., C.G. Bianchi, L.R. Keller, M.G. Ortega & S.E.H. Ortega. 2005. Manual técnico de arborização urbana. 2.ed. São Paulo: PMSP-SVMA, 45p.

Bordignon, M. V. 2000. Análise Morfofisiológica em Sementes de Eugenia uniflora L. e Campomanesia xanthocarpa Berg. (Myrtaceae). Dissertação. Mestrado em Biologia Celular e Estrutural. Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, Brasil. 94p.

Brasil. 2009. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para Análise de Sementes. Secretaria de Defesa Agropecuária. Brasília, DF: Mapa/ACS, 395p.

Chin, H. F. & E. H. Roberts. 1980. Recalcitrant crop seed. Malaysia: Tropical Press SDN. BHD., 152p.

Danner, M. A., I. Citadin, A. A. Fernandes Junior, A. P. Assmann, S. M. Mazaro & S. A. Z. Sasso. 2007. Formação de mudas de Jabuticabeira (Plinia sp.) em diferentes substratos e tamanhos de recipientes. Revista Brasileira de Fruticultura, 29(1):179-182. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-29452007000100038

Danner, M. A., I. Citadin, S. A. Z. Sasso, R. Ambrosio & A. Wagner Júnior. 2011. Armazenamento a vácuo prolonga a viabilidade de sementes de jabuticabeira, Revista Brasileira de Fruticultura, 33(1):246-252. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-29452011005000037

Delgado, L. F. 2006. Tolerância à dessecação em sementes de espécies brasileiras de Eugenia. Dissertação. Mestrado em Biodiversidade Vegetal e Meio Ambiente. Instituto de Botânica, Secretaria do Meio Ambiente, São Paulo, Brasil. 94p.

Delgado, L. F. & C. J. Barbedo. 2007. Tolerância à dessecação de sementes de espécies de Eugenia. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 42(2):265-272. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-204X2007000200016

Donadio, L. C. & F. V. Moro. 2004. Potential of Brazilian Eugenia (Myrtaceae) - as ornamental and as a fruit crop. Acta Horticulturae, 632:65-68.

Farrant, J. M., N. W. Pammenter & P. Berjak. 1988. Recalcitrance: a current assessment. Seed Science and Technology, 16:155-166.

Giurizatto, M. I. K., A. D. Robaina, M. C. Gonçalves & M. E. Marchetti. 2008. Qualidade fisiológica de sementes de soja submetidas ao hidrocondicionamento. Acta Scientiarum Agronomy, 30:711-717. http://dx.doi.org/10.4025/actasciagron.v30i5.5972

Hong, T.D. & R.M. Ellis. 1992. Optimum air-dry seed storage enviroments for arábica cofee. Seed Science and Tecnology, 20(3):547-560.

Hong, T.D. & R.H. Ellis. 1998. Contrasting seed storage behaviour among different species of Meliaceae. Seed Science and Technology; 26(1): 77-95.

Hossel, C., J. S. M. A. Oliveira, K. C. Fabiane, A. Wagner Júnior & I. Citadin. 2013. Conservação e teste de tetrazólio em sementes de jabuticabeira. Revista Brasileira de Fruticultura, 35(1):255-261. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-29452013000100029

Lorenzi, H. 1992. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa: Plantarum, 352p.

Magalhães, M. M., R. S. Barros & F. L. Finger. 1996. Changer in nonstructural carbohydrates in developing fruit of Myrciaria jaboticaba. Scentia Horticulturae, 66:17-22.

Maluf, A. M., D. A. C. Bilia & C. J. Barbedo. 2003. Drying and storage of Eugenia involucrata DC. seeds. Scientia Agricola, 60:471-475. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-90162003000300009

Manica, I. 2000. Frutas nativas, silvestres e exóticas 1: técnicas de produção e mercado: abiu, amora-preta, araçá, bacuri, biribá, carambola, cereja-do-rio-grande, jabuticaba. Porto Alegre: Cinco Continentes, 327 p.

Maguire, J.D. 1962. Speeds of germination-aid selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop Science, 2:176-177. https://www.crops.org/publications/cs/pdfs/2/2/CS0020020176

Melchior, S. J., C. C. Custódio, T. A. Marques & N. B. M. Neto. 2006. Colheita e armazenamento de sementes de gabiroba (Campomanesia adamantium camb. – myrtaceae) e implicações na germinação. Revista Brasileira de Sementes, 28(3):141-150. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-31222006000300021

Neves, E. M. da S. 2011. Secagem, armazenamento e condicionamento osmótico de sementes de frutíferas nativas do Cerrado. Dissertação. Mestrado em Agronomia. Universidade Federal da Grande Dourados. Dourados, Mato Grosso do Sul, Brasil. 86p.

Pirola, K., A. Wagner Júnior, D. A. Cassol, A. L. Alegretti, S. M. Mazaro & I. Citadin. 2009. Influência do armazenamento sobre a germinação das sementes de jabuticabeiras ‘açú’ e ‘de cabinho’ In: XIV Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica da UTFPR, Pato Branco. XIV Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica da UTFPR. cd-rom.

Probert, R. J. & P. L. Longley. 1989. Recalcitrant seed storage physiology in three aquatic grasses (Zizania palustris, Spartina anglica and Portesia coarctata). Annals of Botany, 63(1):53-63.

Santos, C. M. R., A. G. Ferreira & M. E. A. Áquila. 2004. Características de frutos e germinação de sementes de seis espécies de Myrtaceae nativas do Rio Grande do Sul. Ciência Florestal, 14(2):13-20. http://coral.ufsm.br/cienciaflorestal/artigos/v14n2/A2V14N2.pdf

Sena, L. H. de M., V. P. Matos, E. G. B. de S. Ferreira, A. G. de F. A. Sales & M. V. Pacheco. 2010. Qualidade fisiológica de sementes de pitangueira submetidas a diferentes procedimentos de secagem e substratos - Parte 1. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 14(4):405–411. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-43662010000400009

Silva, J.B.C. & J. Nakagawa. 1995. Estudo de fórmulas para o cálculo da velocidade de germinação. Informativo ABRATES, 5(1):62-73.

Valio, I. F. M. & Z. de L. Ferreira. 1992. Germination of seeds of Myrciaria cauliflora (Mart.) Berg. (Myrtaceae). Revista Brasileira de Fisiologia Vegetal, 4(2):95-98. http://www.cnpdia.embrapa.br/rbfv/pdfs/v4n2p95.pdf

Wagner Júnior, A., R. C. Franzon, J. O. da C. Silva, C. E. M. Santos, R. da S. Gonçalves & C. H. Bruckner. 2007. Efeito da temperatura na germinação de sementes de três Espécies de jabuticabeira. Revista Ceres, 54(314):345-350. file:///C:/Users/free/Downloads/3262-4869-1-PB.pdf

Zonta, E. P. & A. A. Machado. 1984. Sanest – Sistema de Análise Estatística para Microcomputadores. Pelotas: UFPel, 75p.
Publicado
2018-09-10
Cómo citar
Pirola, K., Dotto, M., Cassol, D. A., Wagner Junior, A., Possenti, J. C., & Citadin, I. (2018). Sensibilidade à dessecação em sementes de seis fruteiras nativas. Revista De La Facultad De Agronomía, 117(1), 31-41. Recuperado a partir de https://revistas.unlp.edu.ar/revagro/article/view/7315