Calidad de vida en el trabajo (qvt) en profesionales de enfermería

  • Luiza Mariana Brito Soares Universidad de Brasilia. UnB
  • Adriana dos Santos Borges Universidad de Brasilia. UnB
  • Daiany Oliveira dos Santos Universidad de Brasilia. UnB
Palabras clave: calidad de vida en el trabajo, enfermería, bienestar, trabajo, salud de los trabajadores

Resumen

O presente estudo aborda a Teoria de Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) e a relaciona com a função dos enfermeiros, enfatizando os fatores que motivam os diversos distúrbios que podem desestabilizar a qualidade de vida do trabalhador. Tais fatores podem ser de caráter pessoal, interpessoal e físico e estarem ligados ao deficit na assistência prestada. Este artigo tem o objetivo de incentivar a busca de melhores condições no ambiente laboral, buscando medidas preventivas, como programas de capacitação, educação continuada e reformas, priorizando a motivação e o bem-estar físico, social e mental. O método utilizado foi abordagem qualitativa de caráter descritivo. Com isso, foram selecionados 23 artigos dos quais foram retirados dados e informações para a composição dos resultados. Percebeu-se que a QVT dos profissionais está comprometida por diversos fatores de riscos, como a dupla jornada de trabalho e a busca por vários empregos simultâneos para melhor remuneração. As consequências geradas pela ausência de QVT podem ser patologias crônicas, insatisfação no trabalho, mau atendimento e ineficiência na assistência e comunicação. Com isso, conclui-se que o melhor método de profilaxia é investimento em capacitação profissional, reconhecimento no trabalho, tratamento para autoestima e descanso físico ou mental.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Luiza Mariana Brito Soares, Universidad de Brasilia. UnB

Universidad de Brasilia. UnB

Adriana dos Santos Borges , Universidad de Brasilia. UnB

Universidad de Brasilia. UnB

Daiany Oliveira dos Santos, Universidad de Brasilia. UnB

Universidad de Brasilia. UnB

Citas

Araújo, J. N. G. de. (2009). Qualidade de vida no trabalho: controle e escondimento do mal-estar do trabalhador. Trabalho, Educação e Saúde, 7(3), 573-585. http://dx.doi.org/10.1590/S1981-77462009000300011

Baggio, M. A. & Erdmann, A. L. (2010). Relações múltiplas do cuidado de enfermagem: o emergir do cuidado "do nós". Revista Latino-americana de Enfermagem, 18(5), 895-902. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692010000500009

Conte, A. L. (2003). Qualidade de vida no trabalho. Revista FAE business, 7, 32-34.

Costa, D. M. & Carneiro, A. D. (2012, agosto). Indicadores de qualidade de vida dos profissionais de enfermagem: reflexão sobre a humanização da assistência. Trabalho apresentado no 15º Congresso Brasileiro dos Conselhos de Enfermagem, 15º CBCENF, Fortaleza-CE.

Dantas, R. A. S. & Ciol, M. A. (2014). Flanagan Quality of Life Scale. In A. C. Michalos (Ed.), Encyclopedia of Quality of Life and Well-Being Research (pp. 2284-2288). Dordrecht: Springer Netherlands.

Elias, M. A. & Navarro, V. L. (2006). A relação entre o trabalho, a saúde e as condições de vida: negatividade e positividade no trabalho das profissionais de enfermagem de um hospital escola. Revista Latino-americana de Enfermagem, 14(4), 517-525. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692006000400008

Farias, S. N. P. & Zeitoune, R. C. G. (2007). A qualidade de vida no trabalho de enfermagem. Escola Anna Nery, 11(3), 487-493. https://doi.org/10.1590/S1414-81452007000300014

Fernandes, J. da C., Portela, L. F., Rotenberg, L. & Griep, R. H. (2013). Jornada de trabalho e comportamentos de saúde entre enfermeiros de hospitais públicos. Revista Latino-americana de Enfermagem, 21(5), 1104-1111. https://doi.org/10.1590/S0104-11692013000500013

Haddad, M. do C. L. (2000). Qualidade de vida dos profissionais de enfermagem. Revista Espaço Saúde, 2(2), 75-88.

Hobsbawm, E. (2015). A era dos impérios: 1875-1914. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra.

Marziale, M. H. P. & Carvalho, E. C. de. (1998). Condições ergonômicas do trabalho da equipe de enfermagem em unidade de internação de cardiologia. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 6(1), 99-117. https://dx.doi.org/10.1590/S0104-11691998000100013

Mendes, J. A., Lustosa, M. A., & Andrade, M. C. M. (2009). Paciente terminal, família e equipe de saúde. Revista da SBPH, 12(1), 151-173. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-08582009000100011&lng=pt&tlng=pt

Menezes, P. I. F. B. & D'innocenzo, M. (2013). Dificuldades vivenciadas pelo enfermeiro na utilização de indicadores de processos. Revista Brasileira de Enfermagem, 66(4), 571. https://doi.org/10.1590/S0034-71672013000400016

Moniz, M. J. P. V., Costa, D. N. O. B. da. & Ornelas, J. H. P. (2013). Desinstitucionalização de seniores com doença mental: A implementação de um modelo de transição e integração na comunidade. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental, 10, 8-13. Recuperado de http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1647-21602013000200002&lng=pt&tlng=pt.

Paschoa, S., Zanei, S. S. V. & Whitaker, I. Y. (2007). Qualidade de vida dos trabalhadores de enfermagem de unidades de terapia intensiva. Acta Paulista de Enfermagem, 20(3), 305-310. https://doi.org/10.1590/S0103-21002007000300010

Pizzoli, L. M. L. (2005). Qualidade de vida no trabalho: um estudo de caso das enfermeiras do Hospital Heliópolis. Ciência & Saúde Coletiva, 10(4), 1055-1062. https://doi.org/10.1590/S1413-81232005000400028

Queiroz, D. M. & Souza, J. C. (2012). Qualidade de vida e capacidade para o trabalho de profissionais de enfermagem. Psicólogo Informação, 16(16), 103 -126.

Raffone, A. M. & Hennington, É. A. (2005). Avaliação da capacidade funcional dos trabalhadores de enfermagem. Revista de Saúde Pública, 39(4), 669-676. https://doi.org/10.1590/S0034-89102005000400023

Ramos, L. B. da C. & Rosa, P. R. da S. (2008). O ensino de ciências: fatores intrínsecos e extrínsecos que limitam a realização de atividades experimentais pelo professor dos anos iniciais do ensino fundamental. Investigações em Ensino de Ciências, 13(3), 299-331. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/444/262

Rocha, S. de S. L. & Felli, V. E. A. (2004). Qualidade de vida no trabalho docente em enfermagem. Revista Latino-americana de Enfermagem, 12(1), 28-35. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692004000100005

Schmidt, D. R. C. (2004). Qualidade de vida e qualidade de vida no trabalho de profissionais de enfermagem atuantes em unidades de bloco cirúrgico (Dissertação de Mestrado em Enfermagem). Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.

Schmidt, D. R. C. & Dantas, R. A. S. (2006). Qualidade de vida no trabalho de profissionais de enfermagem, atuantes em unidades do bloco cirúrgico, sob a ótica da satisfação. Revista Latino-americana de Enfermagem, 14(1), 54-60. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692006000100008

Silva, B. M. da, Lima, F. R. F., Farias, F. S. de A. B. & Campos, A. do C. S. (2006). Jornada de trabalho: fator que interfere na qualidade da assistência de enfermagem. Texto & Contexto - Enfermagem, 15(3), 442-448. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072006000300008

Publicado
2020-12-17